As avaliações muitas vezes começam com um velho jargão… “o de já vi este filme antes!” e o resultado com certeza será um filme repetido pelo viés do avaliador. Quem está iniciando nesta jornada precisará desenvolver o olhar do observador, aquele que não julga, não mede, não critica. Simplesmente desenvolve, por meio de uma prática contínua a observação atenta e a escuta ativa. Difícil? Talvez seja a técnica mais difícil de ser desenvolvida, pois o ser humano foi acostumado as tais crenças limitadoras impostas pelo entorno. Transformar ou medir?

 

Ir além dos objetivos e metas predefinidos.

Esta experiência promoverá o desenvolvimento da capacidade de se aprofundar, de enxergar além dos objetivos, metas e resultados traçados para aquele programa ou projeto que está sendo avaliado.

Quem está avaliando precisa ser imparcial, o que não quer dizer ser condescendente ou não ter opinião, mas precisa desenvolver a opinião. Ser um formador de opinião não significa ser o “dono da verdade”, porém quanto mais conhecimento obtiver mais próximo estará da verdade.

Portanto, fica fácil perceber o que existe por detrás dos números, das métricas, dos tais indicadores. Inclusive é possível se chegar no processo utilizado na construção de determinados indicadores e que muitas vezes não correspondem a descrição apresentada. Toda informação precisa ser averiguada por meio de fontes fidedignas.

O que quero dizer com tudo isso? Que o avaliador precisa ter um senso crítico apurado, investigativo. Precisa desenvolver o autoconhecimento que o levará a integridade, a transparência e ao desenvolvimento de uma mente abstrata, agregando complexidade e consequentemente uma maior capacidade analítica e não julgadora.

Uma capacidade de analisar múltiplas variáveis em cenários diferentes, porém de forma integrada.

 

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

A exemplo dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável os ODS da Agenda 2030 http://www.agenda2030.com.br/ que para produzirem efeitos ou resultados precisam ser avaliados de forma integrada, considerando o desenvolvimento sustentável (somatório das dimensões sociais, econômicas e ambientais).

Além disso precisam ir além das médias estatísticas desagregando dados.

Para que as avaliações de fato produzam resultados e contribuam como aceleradores para o alcance das metas definidas na Agenda 2030 é necessário que as informações sejam compartilhadas e disponibilizadas para o maior número de pessoas. Resultados de projetos que promoveram transformações na vida das pessoas precisam ser compartilhados para que possam ser replicados. Nada precisa ser desenvolvido do zero. É necessário aproveitarmos ao máximo experiências exitosas, independentemente da localização geográfica. Tudo pode ser adaptado, porém o ponto chave para a aceleração do processo é criar escala.

 

Década da Avaliação para Ação.

Estamos comprometidos com a Década da Avaliação para Ação, promovida pela comunidade global https://www.eval4action.org/partners por meio do Programa Transforme https://projectq.com.br/programa-transforme/ que visa identificar ideias e projetos que promovam transformações na vida das pessoas. INCREVA-SE. Traga a sua ideia e faça parte deste processo de transformação. https://forms.gle/ukDtEz23a4KuwuhZ8